Trabalho perderá status de ministério, anuncia Bolsonaro

07/11/2018 13h39 - Por: Adm
 
G1G1

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (7) que o Ministério do Trabalho, pasta criada há 88 anos, será incorporado "a algum ministério". Ele não informou qual.

Bolsonaro deu a declaração após almoço no Superior Tribunal de Justiça (STJ), oferecido pelo presidente do tribunal e do qual também participou o juiz Sérgio Moro, futuro oministro da Justiça.

"O Ministério do Trabalho vai ser incorporado a algum ministério", disse o presidente eleito.

Nesta terça-feira (6), o Ministério do Trabalho divulgou nota na qual afirma que a pasta "seguramente capaz de coordenar as forças produtivas" a fim de "buscar o pleno emprego e a melhoria da qualidade de vida dos brasileiros".

"O futuro do trabalho e suas múltiplas e complexas relações precisam de um ambiente institucional adequado para a sua compatibilização produtiva, e o Ministério do Trabalho, que recebeu profundas melhorias nos últimos meses, é seguramente capaz de coordenar as forças produtivas no melhor caminho a ser trilhado pela Nação Brasileira, na efetivação do comando constitucional de buscar o pleno emprego e a melhoria da qualidade de vida dos brasileiros", diz o texto da nota.

Militar na Defesa

Bolsonaro confirmou na entrevista que o general Augusto Heleno assumirá o posto de ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) em seu governo.

Sobre o comando do Ministério da Defesa, o presidente declarou que o ministro será um oficial-general de quatro estrelas, o topo das carreiras no Exército, Marinha ou Aeronáutica.

Bolsonaro não informou de qual Força será o ministro, mas destacou que o nome "está engatilhado", com chance de ser anunciado até sexta-feira (9).

O presidente eleito ainda reafirmou que um diplomata assumirá o Ministério das Relações Exteriores. A respeito do senador Magno Malta (PR-ES), seu aliado e que não se reelegeu, Bolsonaro destacou que ele tem condições de ser ministro no futuro governo.

Banco Central, Petrobras e BNDES

Questionado se o governo pretende manter Ilan Goldfajn na Presidência do Banco Central, Bolsonaro declarou que terá de conversas primeiro com o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, e, se for o caso, com o próprio Ilan.

"Depende se ele [Ilan] quer ficar, eu nunca conversei com ele na minha vida. Passa pelo Paulo Guedes, ele vai apresentar para mim, se for o Ilan, a gente vai conversar.

O presidente eleito também afirmou que Guedes, chamado por ele de "Posto Ipiranga", tratará sobre a permanência ou não de Ivan Monteira na presidência da Petrobras.

Bolsonaro não comentou sobre mudança no comando do BNDES, contudo, adiantou que abrirá "o sigilo" das operações do banco logo na primeira semana do governo, que terá início em janeiro.

"BNDES, da minha parte nós vamos abrir todo o sigilo para vocês, sem exceção", declarou.

Acesse o Instagram do Notícia Extra

https://www.instagram.com/noticia_extra/

Leia as notícias mais acessadas do Brasil e do Mundo http://www.noticiaextra.com/

G1

 

Envie seu Comentário